quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

#69 BRONTË, Charlotte, Jane Eyre



Sinopse: Charlotte Brontë conseguiu em Jane Eyre uma fusão perfeita entre o realismo e o romance, incorporando dois temas que persistem no inconsistente colectivo porque expressam aspirações humanas permanentes: o mito de Cinderela, a rapariga pobre e oprimida que casa com o príncipe poderoso, e o mito do sucesso: a recém-chegada sofre, persevera e triunfa da adversidade. 
No entanto, Jane Eyre não é um mero romance de evasão, tem uma verdade e um realismo totais; nos momentos mais empolgantes da acção, os detalhes, como na vida real, são solidamente prosaicos e mesmo o triunfo final de Jane é um triunfo incompleto, à escala humana.
O que caracteriza a arte desta grande romancista inglesa, e ainda hoje a impõe à nossa admiração é, essencialmente, ter sabido descer ao mais profundo dos seres, mostrando-nos, na sua verdade integral, o mau e o bom, o forte e o fraco, na complexidade das suas motivações e das paixões que os dominam, a verdade e a profunda riqueza das figuras que construiu, assim como a violência que as agita, e a humanidade de que vibram e que, página após página, não cessa de nos manter suspensos e ansiosos.

Opinião: Tendo lido anteriormente O Monte dos Vendavais da irmã da autora, Emily Brontë, e conhecendo o enredo desta obra graças ao filme protagonizado por Mia Wasikowska (2011), julguei que a Charlotte seria preterida à irmã. Confesso que o enredo não me interessava tanto, porque sou um bocado adversa ao que pende para o sobrenatural. Mas em boa verdade o livro - ao contrário do filme, que me emocionou mas que não ficou exactamente guardado no meu consciente - conquistou-me e superou, como aliás já é hábito, o filme homónimo.
Estas duas irmãs são tão boas que, apesar da mesma época e do provável mesmo contexto em que foram criadas e educadas, a Emily é uma criadora e a Charlotte é, inegavelmente, outra. A sensibilidade de ambas é impossível de misturar ou dissimular. Enquanto a Emily é crua e mexe com ventos exteriores e perturbadores, a Charlotte mergulha fundo nos motivos ocultos de cada um, sendo que ambas fornecem quadros precisos da natureza humana em estádios diferentes.
Em Jane Eyre acompanhamos alguns dos demónios de carácter que parecem presentes n’O Monte dos Vendavais que a sua irmã publicou alguns anos depois. A natureza a exaltar-se contra o Homem. O carácter ambíguo das pessoas de que nos rodeamos. Mas a escrita de Charlotte é menos intrincada, sendo o Jane Eyre mais fácil de apreender, mais suave (menos áspero) do que a obra-prima da Emily. Também fala em loucura mas, enquanto a que a irmã descreve fervilha, estridente, e povoa cada gesto das personagens, a loucura em Jane Eyre é clínica e fonte involuntária de dissabores.

Deixem-me explicar o enredo deste clássico da literatura inglesa... Jane Eyre é uma órfã acolhida por um tio bondoso, que se torna um fardo para a tia e os primos quando o dito tio falece. Deste modo transforma-se numa criança difícil, vítima inconformada dos maltratos psicológicos e físicos a que é submetida. Eventualmente, acaba por ser afastada da família e encerrada em Lowood, uma escola rígida para meninas. Sendo as condições miseráveis - fome, frio, trabalhos e insensibilidades - também aqui Jane não é feliz.

O calor humano chega-lhe quando, tendo ensinado em Lowood ao formar-se, se torna Perceptora da pequena Adèle em Thornfield e conhece o dono do seu novo lar - Mr. Edward Rochester.

Aqui entra o evidente talento de Charlotte para as relações humanas. Mr. Rochester é multidimensional, mantendo apenas a constância quanto à aura de mistério que o envolve e a um peso incómodo que recai sobre cada um dos seus gestos ou palavras. Não tivesse assistido ao filme e - ignorante da realidade das suas circunstâncias - consideraria que apenas hesita porque faz pouco daquela que se torna, ao longo da leitura, a nossa querida Jane. Também neste ponto a Charlotte difere da irmã no seu Monte dos Vendavais, porque todas as personagens deste são absolutamente desprezíveis. Fascinantes precisamente pelo quão desprezíveis são e pelo quanto, mesmo assim, nos interessamos pelo seu futuro.

Ao contrário do rol de personagens d’O Monte dos Vendavais - amorais, egoístas, cruéis, vingativos, imparáveis - a Jane é determinada, decente, bondosa, caridosa, preocupada com o certo e o errado. É incapaz de infringir mal ou de quebrar as regras da moral e dos bons costumes, inclusive quando sai prejudicada dessa escolha. Este altruismo e abnegação torna esta obra tão rica e única, mesmo quando comparada com o conteúdo de outro clássico da mesma época, elaborado por um punho com quem a sua criadora partilha o ADN, as circunstâncias e a educação.

Apesar de ser irremediavelmente apaixonada pelo Monte dos Vendavais, aconselho igualmente a obra da sua irmã a todos, visto ser fonte de raciocínios pertinentes que tornam a condição humana em algo intemporal. Li algures que é uma primeira obra a emergir sob o signo da emancipação feminina e de facto é-o, na medida em que a Jane está à frente do seu tempo, tanto quanto Charlotte Brontë estava ao acenar-nos lá de trás, da bruma do início do séc. XIX, com valores tão actuais.
 Classificação: 5***** 

domingo, 23 de dezembro de 2012

»Jane Eyre (Charlotte Brontë)

«A consciência da minha vida estragada, do meu amor perdido, das minhas esperanças mortas, da minha fé aniquilada erguia-se diante de mim como uma montanha imensa, prestes a esmagar-me. Não encontro palavras para descrever aquelas horas de amargura. Como dizem as Escrituras: "As águas invadiram a minha alma, mergulhei no pélago profundo e as ondas tragaram-me".»


quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

»Uma Promessa de...

Ora o mês passado consegui fintar por completo o plano de leitura que eu mesma estabeleci. Posto isto verei como me comportarei em 2013... valerá a pena criar-me novos desafios apenas para me desafiar a contorná-los?

Há alguns livros que me fitam da estante e que me causam arrepios de prazer de espectativa...

São estes:

1. Luz Efémera (Volume III da Trilogia Langani)

~Trata-se daquilo que imagino ser a chave de ouro de uma trilogia deliciosa que começou nos anos 60 num Quénia dominado pelos Britânicos, a clamar por liberdade. Desenvolve os conceitos de «africânder», introduz-nos a algumas das tribos locais e, sobretudo, às vidas atribuladas de três amigas: Sarah (a minha favorita), Hannah (que me exaspera e irrita) e Camilla (tantas vezes só me apetece esbofeteá-la. A Sarah é descendente de irlandeses e é loucamente apaixonada pelo Piet, irmão da Hannah, no primeiro volume. No segundo volume, tendo superado (ou tentando superar) uma horrível prova de fogo que até a mim me arrepia e agonia, é uma fotógrafa profissional que vive numa reserva natural e acompanha manadas de elefantes. O Piet é apaixonado pela Camilla. A Camilla é apaixonada pelo guia de safaris Anthony - o gostosão mulherengo lá da área - e vive entre as passerelles de Londres e o cenário de sonho da sua infância. Hannah está determinada em manter o legado da sua família de africânderes e de desenvolver a reserva natural que o seu irmão tanto sonhara construir. Mas a ameaça dos nativos que os consideram intrusos ronda-lhes o espaço, compromete-lhes a vida e traz memórias de violências passadas, quando enormes atrocidades se cometeram do lado de ambas as nações num estado de sítio que guarda consequências para os seus descendentes.

2. O Aroma das Especiarias (Volume III da Trilogia do Chocolate)

~O Chocolate entranhou-se no meu imaginário desde que eu tinha doze ou treze anos. Um livro envolvente, emotivo, supersticioso, com um toque místico, personagens fortes e inesquecíveis - até hoje recordo a postura da Armande a beber chocolate quente na La Céleste Praline. Há um filme protagonizado pela Juliette Binoche e o Johnny Depp que deturpa um pouco o romance original, mas ainda assim penetra-me nos ossos. Há até musicais em torno dessa primeira magnifica obra que conta a história de uma mulher do mundo, mãe solteira de capa e sapatos vermelhos (Vianne) que corre o mundo ao sabor dos ventos do Norte. Ao chegar a Lansquenet-sur-Tânnes, decide abrir uma chocolataria no período da Quaresma, em que se fala de jejum e abnegação. Esta religiosidade cínica - retraída, reprimida - é marca presente nas obras da autora, como em Na Corda Bamba (no seu original Holy Fools). No Sapatos de Rebuçado Vianne e a sua pequena filha, Anouk, vivem novas aventuras, numa obra carregada da mesma fragrância doce e mística. E por último segue-se este regresso a Lansquenet... e eu ansiosa por voltar com ela.

3. Anna Karenina (Leo Tolstoi)

~Por favor, não pensem que descobri esta obra do Tolstoi aquando do remake do filme pelo meu adorado realizador Joe Wright (Orgulho e Preconceito, Expiação). Nem me recordo ao certo como ouvi falar desta obra, certo é que o adultério, a separação, o ostracismo e o século XIX em geral me interessam desde sempre. Após muito namorar esta obra, lá a adquiri (PVP 35,33€, conseguida com 50% de desconto numa daquelas campanhas mirabolantes da minha adorada/odiada Fnac). Agora está cá em casa, à espera que eu ganhe coragem para pegar nesta obra colossal que promete muitas emoções e que se adivinha sublime.

4. Servidão Humana (W. Somerset Maugham)

~Tendo corrido muito para o encontrar - escrevendo inclusive e-mails à Asa e perguntando pelo paradeiro dum último livro que pudesse ter sobrevivido ao stock - fui informada de que a edição estava esgotada e de que não sabiam quando a reporiam. Conclusão: na feira do livro de Almada, na Bertrand do Rio Sul e aos magotes na Fnac de Almada, lá anda esta obra do Maugham. O que espero dela? Existencialismo, dureza, lições de vida, reflexões profundas, algo a somar a quem sou, ao que conheço do mundo, das pessoas e da literatura em geral.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

#68 TOLKIEN, J. R. R., O Hobbit


Sinopse: Esta é a história da aventura de um Baggins, que deu consigo a fazer e a dizer coisas completamente impensáveis…Bilbo Baggins é um hobbit que desfruta de uma vida confortável e sem qualquer ambição. Ele raramente se aventura em viagens, não indo mais longe do que até à dispensa de sua casa, no Fundo do Saco. Mas este conforto será perturbado por Gandalf, o feiticeiro, e por um grupo de treze anões, que num belo dia chegam para o levar numa viagem «de ida e volta». Eles têm um plano para pilhar o espantoso tesouro de Smaug, o Magnífico, um dragão enorme e extremamente perigoso. Encontros inesperados com elfos, gnomos e aranhas gigantes, um dragão que fala, e ainda a presença involuntária na Batalha dos Cinco Exércitos, são apenas algumas das experiências por que Bilbo passará.

"O Hobbit" é o prelúdio de "O Senhor dos Anéis" e já vendeu milhões de cópias desde a sua publicação, em 1937. É claramente um dos livros mais amados e influentes do século XX.
«Uma obra-prima incomparável.»

The Times



Opinião: Sabendo o que se segue (tendo lido o primeiro volume da Trilogia o Senhor dos Anéis e sendo eu e a minha irmãzinha de 6 anos fãs incondicionais dos filmes do Jackson), pensei que veria “O Hobbit” em retrospectiva. Isto é, com a percepção de uma história contada ao calor da lareira sobre tempos passados. Devia ter esperado muito mais do Tolkien.
Quando dei por mim, estava mergulhada até aos ossos nesta aventura. Porque todo o livro é uma aventura; onde um pequeno Hobbit descobre uma coragem que desconhecia, Galdalf surje vaidoso e enigmático, e treze anões se debatem entre os perigos do caminho e a fome constante que os martiriza. Pude rir-me, mas também se multiplicaram os momentos de angústia. Um dragão que guarda um tesouro não parece uma premissa nova para uma aventura, mas treze anões e um pequeno Hobbit não se afiguram inimigos à altura. Anima-me a pessoa em que me torno através da mestria da pena do autor; tudo me parece, por c. 260 páginas, possível. Este mundo que ele nos apresenta parece-me tentador e apaixonante.
A imaginação de Tolkien é deliciosa. Senti-me parte de um conto muito bem contado, distendido e trabalhado ao pormenor. Surpreendi-me por não encontrar violências gratuitas (nem uma única menção a sangue) nem cabeças a rolar, apesar da evidente crueldade e perversão de algumas das personagens. A isto chamo classe, porque o autor arrepia-nos e põe-nos alerta com o mero cheiro do perigo. A parte em que Gollum e Bilbo debatem as adivinhas gelou-me. Imaginava a vozinha da criatura - my precioussss - a reproduzir-se na escuridão de uma gruta, ansioso por ferrar o dente no Hobbit.
Em certos momentos achei-o e inventivo enquanto, noutras, detentor do sentido quase previsível – um tanto simplista - dos contos, cujo final se adivinha facilmente. Ainda assim é uma construção de excelência que surpreende em certos momentos. Sobretudo as personagens são extremamente bem construídas e multifacetadas, multidimensionais e ricas em geral. Não é fácil distinguir treze anões pelas suas particularidades, mas o Tolkien consegue-o!
Muitas vezes me desencorajaram a ler o autor devido à “exaustão” com que se reproduzem as descrições ao longo da obra. Eu apreciei muitíssimo essas mesmas descrições, que adicionam substância a este mundo saído do seu imaginário, e acrescento que a minha maninha pequena se deixou igualmente envolver pelos trechos que lhe fui lendo, assustando-se e animando-se com os sustos e as vitórias das personagens. Não se deixem amedrontar pelos dizeres acerta de obstáculos à leitura destas obras. Mal posso esperar para ler o II e o III volumes do Senhor dos Anéis.

PS - Adquiri o livro no dia 16 de Dez. a 13,56€ no Continente, com 40% de desconto sobre preço de autor. Também o I Volume da Trilogia do Anel estava lá a 12,00€ e qualquer coisa. Vale bem a pena!

PS II - Para o custo da edição, tem demasiadas gralhas!

PS III - Pergunto-me como pensam retalhar este livrinho em 3 filmes de 2 horas e meia cada...?
Classificação: 4,5****/*

#67 JAMES, E.L., As Cinquentas Sombras de Grey

Sinopse: As Cinquenta Sombras de Grey é um romance obsessivo, viciante e que fica na nossa memória para sempre. Anastasia Steele é uma estudante de literatura jovem e inexperiente. Christian Grey é o temido e carismático presidente de uma poderosa corporação internacional. O destino levará Anastasia a entrevistá-lo para um jornal universitário. No ambiente sofisticado e luxuoso de um arranha-céus, ela descobre-se estranhamente atraída por aquele homem enigmático, sombrio, cuja beleza corta a respiração. Voltarão a encontrar-se dias mais tarde, por acaso ou talvez não. O implacável homem de negócios revela-se incapaz de resistir ao discreto charme da estudante. Ele quer desesperadamente possuí-la. Mas apenas se ela aceitar os bizarros termos que ele propõe... Anastasia hesita. Todo aquele poder a assusta – os aviões privados, os carros topo de gama, os guarda-costas... Mas teme ainda mais as peculiares inclinações de Grey, as suas exigências, a obsessão pelo controlo… E uma voracidade sexual que parece não conhecer quaisquer limites. Dividida entre os negros segredos que ele esconde e o seu próprio e irreprimível desejo, Anastasia vacila. Estará pronta para ceder? Para entrar finalmente no Quarto Vermelho da Dor?

Opinião: Visto que a minha melhor amiga - que costumam levar o seu tempo a ler um livro - leu este “Cinquenta Sombras” em meia dúzia de dias e o declarou de dificuldade 0, sucumbi à curiosidade. Já suspeitava de que o conteúdo seria uma tristeza pegada e imaginei-me a fazer uma review suculenta a respeito do facto de a senhora ter presenteado o mundo com uma obra medíocre (calma, medíocre significa de qualidade mediana) - miserável - e ter enriquecido desse modo. Porque o sexo vende. Porque o que é fácil é acessível a todos. Porque prometia “sombras”, um homem cativante e, talvez para alguns, porque é um fanfic do Twilight. Graças a isto fiquei mais rica como pessoa; agora sei o que é um fanfic. Mas sou obrigada a pedir que me perdoem por ter tido tão pouca resistência a este best-seller, e até por não ser capaz de destacar todos os momentos dignos de reparo na obra. Estava a fazer-me mal à saúde...


Eu desconfio sempre quando há muito frufru em redor de algo - porque o que é do acesso comum geralmente tem standards muito baixos. Adolescentes excitadas, mulheres casadas que consideraram um escândalo de secretismo e ousadia adquirirem esta obra e lê-la no barco a caminho do trabalho. E ao menos considero que a E.L.James ensinou muita gente a ler - ao menos isso!
Bom, desisti, como não poderia deixar de ser, porque senti que me torturava mentalmente, na página 20. Li conteúdos semelhantes no “I’m In Love With a Pop Star” da Margarida Rebelo Pinto, mas na altura tinha 13 anos e, mesmo a custo, lá acabei o livro. Agora, dez anos depois, sou incapaz de dedicar o meu precioso tempo a coisas que me magoam o intelecto, por muito que prometessem uma review hilariante.
Desfolhando o restante livro, descobri que a deusa interior da senhora dança salsa com passinhos de merengue e, com isto, retorci-me e fechei definitivamente o livro. O senhor é aquilo que os brasileiros chamam um “babaca”. Há muito que sei que o maior poder é o daquele que pode, mas não faz. Uma pessoa que dá ordens atrás de ordens tem graves problemas de autoridade e a sua personalidade berra que, outrora, o pisaram e bem. Não é preciso ser psicóloga para adivinhar isso acerca do Sr. Grey, nem forçar-me a 500 páginas de tortura mental.

Em conversa com a minha amiga descobri algumas coisas preocupantes e ridicularizantes, adversas à verdade ou já do campo da ficção surreal.

A senhora tem um orgasmo na primeira vez? Hum.
A senhora toma uma primeira pílula e remove imediatamente o preservativo das brincadeiras? Não me admira que hajam fatinhos de bebés a dizer “Há nove meses atrás a minha mãe leu o Fifty Shades of Grey”...


Enfim.
Dá que pensar.

Classificação: 1*

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Cem Anos de Tortura


Hoje fui amplamente surpreendida por uma mensagem privada de um membro do Goodreads, que veio precisamente no rescaldo de algumas conclusões que tirei ontem.  O conteúdo do texto é o seguinte:

«Uma "escritora" que, independentemente do "bom" ou "mau" gosto dá 2 ao Cem Anos de Solidão e que ainda tem a pretensão de dizer que nasceu para escrever. 

Ri-me muito.»

Para quem não sabe, no Goodreads atribuem-se classificações de 1/5 aos livros lidos, conforme os critérios de cada um. Qual é o meu espanto quando me dou conta das implicações que não gostar dum escritor que ganhou um Nobel poderiam ter no meu percurso de (pretensiosa) “escritora”!

Quando li o Cem Anos de Solidão teria quê? Quinze anos? Aos quinze anos um livro do Nicholas Sparks parecia-me soberbo, enquanto um do Garcia Marquez poderia parecer-me facilmente aborrecido. Poderia até tentar justificar o meu “2” ao Cem Anos de Solidão deste modo. Mas a verdade é que este jovem veio estabelecer um pararelismo entre a minha incompetência como escritora – ter-me-á ele lido? – e o muito que o livro me exasperou. Nestes preâmbulos, e recordando-me bastante bem da sensação que o livro me passou, sou obrigada a confessar que a minha opinião quanto ao livro se espelha no seguinte comentário de um utilizador goodreadeano:

«So I know that I'm supposed to like this book because it is a classic and by the same author who wrote Love in the Time of Cholera. Unfortunately, I just think it is unbelievably boring with a jagged plot that seems interminable. Sure, the language is interesting and the first line is the stuff of University English courses. Sometimes I think books get tagged with the "classic" label because some academics read them and didn't understand and so they hailed these books as genius. These same academics then make a sport of looking down their noses at readers who don't like these books for the very same reasons. (If this all sounds too specific, yes I had this conversation with a professor of mine).

I know that other people love this book and more power to them, I've tried to read it all the way through three different times and never made it past 250 pages before I get so bored keeping up with all the births, deaths, magical events and mythical legends. I'll put it this way, I don't like this book for the same reason that I never took up smoking. If I have to force myself to like it, what's the point. When I start coughing and hacking on the first cigarette, that is my body telling me this isn't good for me and I should quit right there. When I start nodding off on the second page of One Hundred Years of Solitude that is my mind trying to tell me I should find a better way to pass my time.»

By Adam on Goodreads.

Assombrou-me a associação de ideias deste jovem: agora apreciar um autor que uma qualquer entidade de cultura designou como de qualidade é requisito para nós próprios virmos a ter algum valor na área? Teria o Da Vinci apreciado a arte do Picasso se os dois se tivessem algum dia conhecido? Ou seria suficientemente mente aberta para dizer “Picasso, o teu Guernica é um 2 porque o abomino pessoalmente, e só é 2 porque te reconheço o génio”.
Mas, analisando algumas obras lidas pelo mesmo jovem, enveredo numa curiosa constatação: tendo lido quase sobretudo autores clássicos (aqueles que “alguém” designou de bons e que ele acatou), omitiu as leituras dos “comuns mortais” ou, de facto (o que é ainda mais lamentável), não os leu. Tolstoi, Dostoievksy, Freud, Camões, Kafka, Neruda, Steinbeck, Pessoa – com todas estas leituras no seu currículo, não é difícil adivinhar que estamos perante alguém que se tem a si próprio como um intelectual. Não lhe chamemos pretensioso, mas eu alerto para o risco de nos debruçarmos sobretudo – e de peito aberto – para aquilo que “alguém” designou que era bom. Para aquilo que “alguém” disse que deveríamos ler incontornavelmente. Porquê conceder a alguém – à sociedade, à tribuna dos Nobels que seja – o direito de nos designar os lugares literários a visitar? E porquê fecharmos a mente tão jovens àquilo que é a livre percepção de cada um face a escritores que a maioria idolatra, quando a maioria está tantas vezes cega ou errada?

Com isto não pretendo questionar a qualidade dos referidos autores/obras literárias. Quem sou eu para fazê-lo ou para enviar cartas ao Fernando Pessoa do início do século XX e dizer-lhe que, se não gosta de Tolstoi, jamais será alguém na escrita? Ainda para mais fiquei com a percepção de que este jovem se tem certamente em muito boa conta e é muito orgulhoso da sua bagagem cultural. Espero que a idade o torne mais flexível e lhe abra a mente – já que tanta variedade de leituras só serviu para lhe dar a ideia errada de como funciona a arte e de lhe que as percepções pessoais são questionáveis – e que páre de pensar que é não questionando Darwin que abrimos o nosso caminho no naturalismo.

Como aparte felicito a Helena Barbagelata (21 anos) que venceu ontem o Prémio Literário de Poesia e Ficção de Almada, vertente “Poesia” com “O Mar dos Deuses” (se não estou em erro). Também a ela lhe reconheço o génio, porque as palavras da sua autoria que foram citadas durante a cerimónia soaram belas, arcaicas, quase exóticas, estranhas e de um talento inegável. Eu, qual burra a olhar para o palácio, não compreendi uma linha – uma reviravolta emocional – do que foi dito, mas houve muitas lágrimas e aplausos. Sendo obrigada a classificar a sua obra, dar-lhe-ei 5 porque nem sob a mira de uma arma conseguiria imitar-lhe os trejeitos literários? Ou serei obrigada a dar-lhe 2 porque a cultura, na minha modesta visão, deve ser obra de compreensão (democracia e acessibilidade) e não de cega admiração, e na realidade eu não senti nada?

A autora é jovem e multifacetada (pinta divinamente) e desejo-lhe toda a sorte do mundo, até porque engrandece o nosso concelho de Almada. Espero que surjam todas as oportunidades adequadas à evidente imensidão do seu talento...




La Belle Inconnue, by Helena Barbagelata


segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

»Plano de Leitura de Dezembro/Relatório de Novembro


1 - Acabar O Último Cabalista de Lisboa (Richard Zimler)
2 - Ler o Caim (José Saramago)
3 - Ler O Aroma das Especiarias (Joanne Harris)
4 - Ler Os Pilares da Terra I (Ken Follett)


Clube de Leitura:
1 - Histórias de um Portugal Assombrado
2 - Os Anos Perdidos
3 - Noite de Reis

A aguardar o anúncio das obras que me cabem p/ Dezembro.

Desafio de Novembro: incompleto


Li 248/368 páginas d'O Sedutor e terminei-o
Li 352/352 páginas do Sedução Intensa e terminei-o
Li 688/688 páginas d'O Grande Amor da minha vida e terminei-o
Li 398/398 páginas do Lembro-me de ti e terminei-o
Li 241/330 páginas do Sob o Céu de Paris e terminei-o
Li 256/256 páginas d'A Culpa é das Estrelas e terminei-o
Li 46/414 páginas d'O Último Cabalista de Lisboa

Total: 2229 páginas

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

#66 GREEN, John - A Culpa é das Estrelas


Sinopse: Apesar do milagre da medicina que fez diminuir o tumor que a atacara há alguns anos, Hazel nunca tinha conhecido outra situação que não a de doente terminal, sendo o capítulo final da sua vida parte integrante do seu diagnóstico. Mas com a chegada repentina ao Grupo de Apoio dos Miúdos com Cancro de uma atraente reviravolta de seu nome Augustus Waters, a história de Hazel vê-se agora prestes a ser completamente rescrita.
PERSPICAZ, ARROJADO, IRREVERENTE E CRU, A Culpa é das Estrelas é a obra mais ambiciosa e comovente que o premiado autor John Green nos apresentou até hoje, explorando de maneira brilhante a aventura divertida, empolgante e trágica que é estar-se vivo e apaixonado.

Opinião: A minha opinião é ambígua em relação a este livro. Não consegui entender se havia um público a quem era dirigido e se, havendo, eu me enquadrava nele. Contudo suspeito de que, se tivesse cinco aninhos a menos, o livro me teria marcado muito mais. Para quem não sabe, esta obra de ficção envolve a criação de um medicamento que, na realidade não existe, para prolongar a vida de uma adolescente cujo cancro é incurável. A sua vida é um mero adiamento de uma morte mais eminente do que a de qualquer mortal. Tem pouca qualidade de vida mas tem um espírito são, motivado, arguto.
Se é uma obra perspicaz? É, bastante, é verdade. Arrojada? Pareceu que estava a ler as minhas deixas inconvenientes nas falas das personagens, chocada com a ousadia do que é dito e a necessidade que havia de dizê-lo. Cru também. Não posso negar-lhe um 4 pela reflexão que proporciona. Mexe com vida e morte, prioridades, mesquinhices, receios, indignidades. Mas também senti muito a presença da idade do escritor no livro. Achei que havia demasiado cuidado com o que as personagens vestiam e o romance, na minha opinião, foi inevitável entre dois jovens. Eu não gosto de romances inevitáveis, gosto de romances improváveis. Ainda assim, tem rasgos de filosofia, acrescenta algo ao leitor, ensina, educa, obriga a pensar. De facto a segunda parte do livro é a melhor. Estive constantemente à espera que me arrancassem lágrimas e, quando vieram, nem sequer compreendi muito bem como. Houve ali uma reviravolta no livro que me pôs a chorar baba e ranho… lá ia eu, estrada afora, de livro numa mão, lencinho na outra, a ler sobre perda e sobre consolar alguém que perde alguém. Aprecio bastante o facto de o livro ser pequeno e, ainda assim, demorei alguns dias a lê-lo porque a primeira parte arrastou-se sem grande interesse. É Amsterdão que me arrepiou, bem como a revelação que se segue e, sobretudo, um momento que leva à minha citação favorita. Aconselho a quem queira reflectir na vida.

Elegia: «Não sou matemática, mas uma coisa eu sei: Entre 0 e 1 existem números infinitos. Existe o 0,1 e o 0,12 e o 1,112 e uma série infinita de outros. Claro está que existe um maior conjunto infinito de números entre 0 e 2, ou entre 0 e um milhão. Algumas infinidades são maiores do que outras (...) Quero mais números do que é provável que tenha, e, oh Deus, quero mais números para o Augustus Waters do que os que ele tem. Mas Gus, meu amor, não te consigo dizer como estou grata pela nossa pequena infinidade.» 
Classificação: 3***

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

#65 CAMPIÃO, Jorge & CALDEIRA, Elisabete - Sob o Céu de Paris

Sinopse: Raquel é uma mulher que nunca tomou o destino da sua vida nas próprias mãos, e tem consciência disso. Carlos é um pintor cujo reconhecimento artístico poderia ser maior se alguma vez tivesse sido metódico, mas não o sabe. Raquel vai organizar a exposição de pintura de Carlos em Paris, no Centro George Pompidou. Mas não vai apenas ordenar a exposição de Carlos, vai estruturar a sua obra, o seu talento, ao mesmo tempo que terá de recompor a sua própria vida pessoal. Pelos cafés, restaurantes e ruas de Paris por onde passam, Raquel ressuscitará um Picasso - cuja crueldade corporiza bem os seus medos - e uma Dora Maar - a talentosa, enigmática e inspiradora do genial artista -, que lhe serve de alter-ego, mas cujo destino não quer imitar.

Opinião: Quem já visitou Paris sabe que “cidade do amor” não é um exagero. Nem uma hora depois de ter aterrado em Paris já tinha visto uma moldura enternecedora de dois namorados a beijar-se com a Torre Eiffel como fundo iluminado, bem como dois amantes a sair de um hotel e a entrar cada um no seu carro. Gostando muito do Jorge Campião - com quem compartilho o gosto pelo Julio Cortázar - e da Elizabete, muito simpática e acessível, esperei que o livro que lançaram com tanta paixão se debruçasse sobre o amor da Torre Eiffel e não sobre o amor do Hotel. Infelizmente (para o meu gosto pessoal), foi ao contrário. As personagens são amantes na cidade mais bonita e romântica do mundo, e mergulham longamente na exploração corporal uma da outra. O facto de trairem outras pessoas não é o que me impediu de apaixonar pela obra... Ontem mesmo vi um documentário sobre o E Tudo o Vento Levou onde se confessou que ninguém dava nada pelo filme, visto ser protagonizado por uma “bitch” e um “bastard”, quem se importaria com esse género de pessoas? Mas a verdade é que toda a gente se identifica com eles, mas não me identifiquei nem com a Raquel nem com o Carlos. Não entendi porque se amam, se se amam. O Picasso e a Dora Maar, que poderiam resgatar o livro do mergulho na intimidade do quarto de hotel dos outros dois personagens, foram meia dúzia de pitadas diluídas no romance. Tive pena porque sei que houve muita pesquisa e muito cuidado envolvido na criação da obra e lamentei a importância atribuída a esses momentos. Pareceu-me que o interesse mútuo das personagens existia apenas a nível carnal e a ida a Paris é um mero pretexto para se envolverem.

A escrita, contudo, é irrepreensível. Apenas achei que exageraram um pouco no uso do ponto de exclamação, mas de resto superam perfeitamente um Tiago Rebelo, uma Margarida Rebelo Pinto, uma Margarida Pedrosa, uma Alexandra Vidal, etc. Sem dúvida são muito mais talentosos no uso da palavra e não tenho dúvidas de que vai agradar muito aos românticos. Infelizmente li-o, a partir da página 100, na diagonal. Não vi muitos vestígios do cubista e da Dora Maar por onde sobrevoeei e não me agradou a conclusão final do livro...

Lamento não ter conseguido apaixonar-me pelas personagens nem pelo enredo. É um livro de qualidade inegável que, simplesmente, não me falou.

Classificação: 2**/*

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

#64 SIMONS, Paullina - O Grande Amor da Minha Vida [O Cavaleiro de Bronze #1]

Sinopse: Tatiana vive com a família em Leninegrado. A Rússia foi flagelada pela revolução, mas a cidade mais cosmopolita do país guarda ainda memórias do glamour do passado. Bela e vibrante, Tatiana não deixa que o dramatismo que a rodeia a impeça de sonhar com um futuro melhor. Mas este será o pior e o melhor dia da sua vida. O dia fatídico em que Hitler invade a Rússia. O dia assombroso em que conhece aquele que será o seu grande e único amor.
Quando Tatiana e Alexander se cruzam na rua, a atração é imediata. Ambos sabem que as suas vidas nunca mais serão as mesmas. Ingénua e inexperiente, Tatiana aprende com o jovem soldado os prazeres da paixão e da sensualidade. Atormentado pela guerra e pela incerteza quanto ao futuro, Alexander descobre a doçura dos afetos. E, enquanto as bombas caem sobre Leninegrado, eles vivem um amor que sabem ser eterno mas impossível. É um amor que pode destruir a família de Tatiana. Um amor que pode significar a morte de todos os que os rodeiam. Ameaçados pela implacável máquina de guerra nazi e pelo desumano regime soviético, Tatiana e Alexander são arremessados para o vórtice da História, naquele que será o ponto de viragem do século XX e que moldará o mundo moderno.
É o primeiro volume da trilogia Tatiana & Alexander.


Opinião: Não me é fácil, tendo já lido tanta coisa, encontrar um livro que abra caminho por entre os outros na minha atenção e gosto pessoal. Descobrir um obra como O Cavaleiro de Bronze (para mim é este o nome dele, bem como o único que faz sentido) - e, mais sorte ainda, saber que se trata de uma trilogia - é fonte de um prazer que se há de prolongar em mais dois volumes. A sinopse anuncia um grande amor; mas este livro é bem mais do que isso. Para mim, que em tempos fui romântica mas que ainda não me esqueci do que é amar, para mim, que sou uma apaixonada da História, este romance significa esses dois ingredientes levados ao expoente máximo. Estamos na II Guerra Mundial e eu conheço o contexto em que tudo se desencadeou sem ir ao google.com: Hitler sobe ao poder em 33, prepara a máquina de guerra mais poderosa da Europa, anexa a Áustria em '38, sob aprovação da restante Europa, reunindo dois imponentes aliados da I Guerra Mundial, e invade a Polónia. Tem um pacto de não agressão com a Rússia, apenas porque desconfia que podem aniquilar-se mutuamente. O que este livro acrescentou - e eu sabia que a Rússia foi essencial para a derrota do Hitler na Europa - foi que os russos andavam a dormir enquanto a máquina de guerra do Hitler se ia tornando mais mortífera. O livro arrasta-se do verão de 1941, quando a URSS é invadida, até 1943, quando estão perto de inverter a nação em desvantagem. O livro é tão poderoso que me foi físico. Para além do frio veio a fome - estava constantemente com fome na primeira metade do livro. Pus-me em pé tardiamente e disse ao meu irmão "este livro é só fome". Depois custou-me um pouco explicar-lhe que isso era bom num livro enquanto mordiscava uma côdea de pão sem mais nada, por solidariedade às personagens que, com racionamentos, nem isso tinham para comer. A dado momento, o livro também foi só frio. Menos 30º. Gelei, os cobertores eram poucos. Depois foram morteiros e espingardas e P-35 (será mesmo 35? é que essa pistola é alemã, espero não me ter enganado), foram estradas sobre lagos gelados e camadas de gelo a estalar. Um mergulho no dito gelo. Foram a russa soviética - a Rússia dos bufos, da NKVD (polícia política russa?), do comunismo exacerbado e prejudicial à saúde.
A Tatiana e o Alexander conhecem-se a 22 de junho, quando a Rússia, através dum comunicado na rádio, informa que a Alemanha violou o pacto de não agressão e, como tal, é doravante sua inimiga no conflito que vai arrastando, aos poucos e poucos, mais nações. Conhecem-se quando ela está despreocupadamente a comer um gelado num dia que ficará para a história da sua pátria. Desde aí, desenrola-se uma série de desenganos e, por vezes (o que em momentos lamentei mas que, a longo prazo, virando a última página, se revelou satisfatório) discussões a meias-palavras. Não aprecio muito rodeios mas a modos que, neste livro, se justificam todos. De início detestei a Tatiana, pareceu-me leviana. A comer gelados quando todo o dinheiro era levantado dos bancos e a comida esgotava nas prateleiras dos estabelecimentos! A dar voltas intermináveis no autocarro até aos limites da cidade e a regressar porque o soldado que conhecera na paragem lhe parecia atraente ou magnético. Enfim, eles estavam destinados e isso torna-se evidente sobretudo a partir da segunda metade do livro. Compreendo o amor deles a partir daí  - ambos querem ser possessivos por si e oferecer liberdade pelo outro, ambos o querem só para si mas compreendem (ou discutem) a necessidade que o mundo parece ter do outro. Dificilmente se posicionam do mesmo lado numa discussão e achei isso estimulante. O Alexandre sim, é bem o homem dos meus sonhos. Dá murros na parede e saltam-lhe lágrimas dos olhos quando está a ferver, mas nessas alturas quase nos é possível (leitor) descortinar com clareza as suas intenções e a sua linha de pensamento sem que o livro o formule. E a Tatiana... identifico-me bastante com ela. Porque é teimosa como uma burra e não confia no juízo de mais ninguém que não no dela própria. Só segue a sua cabeça, para o bem e para o mal. É corajosa e sacrifica tudo pelo Alexander, porque ele vale a pena.
Quando terminei ontem o livro estava desconcertada. Com a sensação de assistir ao desfecho de uma obra épica, com todos os contornos de um clássico, que quero muito ver adaptada ao cinema!
Como ponto um bocadinho mais fraco, mas que nada rouba ao livro e até pode acrescentar para algumas leitoras, compreendo que a autora queira levantar véus sobre a intimidade das personagens para que, desse modo, compreendamos a dimensão admirável da sua comunhão. Mas houve ali uma série de páginas (bastantes) em que já estava a haver intimidade a mais na minha modesta opinião. Compreendo a importância daquele verão em Lazarevo, mas gostaria de ter visto o livro a desenvolver-se mais rápido a partir daí.
Raramente estou na penúltima página de um livro de 688 páginas e a desejar que ele não acabe. Pelo contrário, ando é mais rápido a ver se o termino, classifico, comento, e passo ao próximo. Mas neste bateu-me uma angústia... A última parte é tão bonita...! Todo o livro o é.
A autora não teve escrúpulos; obrigou-me a penar até poder ler o próximo!
Classificação: 5*****
Segundo volume aqui

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

#63 SIGURDARDÓTTIR, Yrsa, Lembro-me de ti

Sinopse: Três jovens propõem-se recuperar uma velha casa de uma aldeia abandonada, algures nos Fiordes Ocidentais islandeses. Mas não imaginam o cataclismo que este inofensivo trabalho vai desencadear. Na outra margem do fiorde, um psiquiatra investiga o suicídio misterioso de uma mulher mais velha que poderá estar ligado ao desaparecimento do seu próprio filho. Estas duas intrigas vão convergir para uma história de um enorme suspense que os críticos têm considerado tratar-se da melhor que até agora saiu da pena de Yrsa Sigurdardóttir.
"Lembro-me de Ti" foi galardoado com o Prémio de ficção Policial Nórdica de 2011, e os direitos de adaptação ao cinema comprados pelo produtor islandês radicado em Hollywood Sigurjón Sighvatsson ("Wild at Heart" e "The Killer Elite", entre dezenas de outros). Um thriller policial arrebatador, uma leitura saborosamente arrepiante.

Opinião: «A resposta islandesa ao Stieg Larsson» é um pouco enganosa para quem procura policiais. Não que essa componente não exista, mas o livro resolve-se sobretudo a partir do sobrenatural. Para quem gosta de livros que deixam os pelinhos arrepiados, este é ideal. Ontem julguei que toda a casa fazia ruídos ameaçadores enquanto lia as últimas páginas. Confesso que pulei algumas porque achei demasiado descritivo e exaustivo. Também porque me perturbou bastante, logo deste o início. O frio, o branco, os fiordes a desfazerem-se sob as botas de neve, a ameaça do gelo, crianças desaparecidas, estranhas cruzes gravadas nas costas de mortos e um fantasma (criança) ameaçador que se vale do uivo vento para lançar avisos tormentosos. A meio do livro estava frenética para terminá-lo, não andava tão rápido quanto eu desejava, cada capítulo terminando numa revelação/aproximação do medo e deixando-me em alvoroço. Queria muito saber o que aconteceu com aquelas duas crianças desaparecidas...
No final tudo se conjugou: a má natureza humana, a crueldade infantil, a dor, a perda, o desconcerto, o absurdo das situações evitáveis que terminam em desgraças, os motivos por detrás de tanta maldade e sordidez. Tudo faz, afinal, sentido.

Uma boa leitura - sem dúvida perturbadora - que aconselho a todos os que gostem de mistérios, policiais e sobrenatural. Se tiver oportunidade voltarei a ler esta autora, que trouxe a Islândia para a luz.

Classificação: 4****

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

#62 KLEYPAS, Lisa - Sedução Intensa


Sinopse: Quatro jovens da sociedade elegante de Londres partilham um objetivo comum: usar os seus encantos femininos para arranjarem marido. E assim nasce um ousado esquema de sedução e conquista. Num refinado baile londrino, Lillian Bowman depressa descobre que a sua educação tipicamente americana não está propriamente na moda. E encontra no insuportável Marcus, Lord Westcliff, o seu crítico mais implacável. Pena que seja um excelente partido... Quando Lillian cai acidentalmente nos braços de Marcus, vê-se chocada e consumida por uma súbita paixão por um homem que julgava detestar. O tempo parece parar e o corpo da jovem cede ao erotismo do momento, descobrindo sensações que nem sonhava existirem... Marcus, conhecido pela sua constância, também se vê perdido num turbilhão sensual. Cada toque de Lillian é pura tortura, cada beijo o faz gemer por mais. Mas como pode ele pensar em aceitar uma mulher tão pouco adequada para sua noiva?

Opinião: Como descrever o facto de, à segunda (ou terá sido terceira?) leitura deste livro, tendo-o lido anteriormente em traduções miseráveis em inglês/pt-br, ter gostado ainda mais dele? Fiquei convencida de que a Kleypas tem realmente um dom. O primeiro deixou-me sem fôlego, às vezes revisito-o. Meu adorado Simon Hunt… Quanto ao Westcliff, por quem eu tinha uma animosidade épica, safou-se bem neste ao dar conta do recado que é a Lillian. Ele é Conde e deve casar bem, especialmente quando as duas irmãs misturaram o seu sangue azul com americanos, o que na época era uma afronta para a aristocracia inglesa. A Lillian é americana e completamente avessa às regras de etiqueta inglesas. Identifico-me bastante com esta personagem – impulsiva, questiona tudo em redor e tem uma aversão natural a tudo o que é autoridade, obrigações, convenções. É por isso que os ímpetos da juventude a fazem chocar directamente na personalidade carismática e séria do seu anfitrião. No romance anterior o Westcliff é descrito como poderoso, responsável e generoso. É uma figura quase paternal, apesar de carrancudo. Neste livro perde as estribeiras com a Lillian e dá por si a pôr a razão de lado a favor daquilo que ela lhe desperta. Gostei do entendimento entre os dois, fizeram-me rir e exasperar. O momento mais emotivo para mim foi quando ele tenta proibir a Lillian de saltar obstáculos a cavalo, porque ela não está habituada a saltar à amazona (na América ela passava uma perna para cada lado do cavalo), e receia que torça o pescoço. A ordem expressa que ele lhe dá, proibindo-a de o fazer quando, na realidade, ela é perita em corridas de obstáculos com cavalos, mexe directamente com o feitio dela, que contraria instantaneamente uma ordem. Confrontado com a desobediência dela, os dois protagonizam uma discussão em frente a todos os convidados dele. Compreendi ambos mas posicionei-me subtilmente do lado da Lillian. Que direito tinha ele de a proibir do tirar prazer de uma actividade só porque receava que ela partisse a coluna? A vida sem risco não faz sentido.
         Mas é a participação do meu (second favorite male character of all time, right after #1 Rhett Butler) adorado St. Vincent que vem apimentar o enredo. A própria Lillian dificilmente lhe resiste, por muito que o Westcliff seja o amor da vida dela. A Kleypas envolveu o Sebastian St. Vincent em sensualidade dissimulada, maldade intrínseca, perigo e tormentos. Agora imaginem a sua ousadia ao emparelhá-lo com a pobre tímida – e gaga – Evie Jenner no terceiro volume desta série… Sem dúvida o meu favorito, mal posso esperar por lê-lo em português!!!

PS - Mais uma vez detesto o nome dado à série - À Flor da Pele? Jesus - e ao livro. No original: Segredos de Uma Noite de Verão e Aconteceu Num Outono traduzidos para Desejo Subtil e Sedução Intensa. Honestly?! Até tenho vergonha de sair de casa com estes livros, só os leio em casa.
Classificação: 4****

domingo, 4 de novembro de 2012

#61 HUNTER, Madeline - O Sedutor


Sinopse: Diane Albret é órfã e passou a maior parte da sua vida num colégio interno. Sem mais família, está habituada a receber apenas uma visita: Daniel St. John, o seu irresistível tutor. Ao longo do tempo, ele visitou-a sempre uma vez por ano. Mas o seu mais recente encontro reserva-lhe uma surpresa: Daniel esperava encontrar uma menina e Diane é já uma bela e carismática mulher. Ele aceita retirá-la da clausura do colégio e levá-la consigo para Londres. Porém, ambos têm planos que preferem manter em segredo. Diane está decidida a descobrir o que se passou com a sua família, que nunca chegou a conhecer. Só Daniel pode revelar o que ela tanto deseja saber, mas ele tudo fará para que o passado permaneça secreto, pois os seus efeitos representam uma ameaça fatal para a vida de ambos. Por seu lado, Daniel está subtilmente a usar a inocência da sua protegida para uma vingança que planeia há mais de uma década. Mas a crescente proximidade entre ambos ameaça dificultar-lhes os planos e, pouco a pouco, eles apercebem-se de que têm mais em comum do que julgavam. Poderá um novo amor triunfar sobre ódios antigos?

Opinião: Conheci a Madeline Hunter através do Regras de Seduçãoalguns anos. Tenho ainda a primeira edição desse livro, com a respectiva protecção exterior, muito verde e nada a ver com o seguimento que a editora deu a estas publicações. Apostei na autora porque sou uma romântica apaixonada por História e o livro prometia ambos os ingredientes. Desde esse livro não deixei de adquirir e ler as obras da Hunter, mas tenho ficado com um travo amargo na boca graças a livros como Lições de Desejo e Mil Noites de Paixão, que achei desprovidos de ambos, excepto de sexo. Nenhuma das personagens tinha qualquer conteúdo e os livros são, regra geral, maiores do que o necessário. O Sedutor – lamento, uma vez mais, a escolha do título – recupera um pouco da boa Hunter. Daí que lhe dê a nota de 4, é um 4 à luz da obra da Hunter e dentro dos romances do género. A História está bem cimentada, envolve sublimemente o enredo. A intriga é boa, a dado momento dei por mim impelida para continuar a leitura e desvendar o mistério. O Daniel St. John venceu-me, é um daqueles homens atraentes, graciosos e elegantes, que carregam uma certa perturbação neles, um certo senso melancólico e misterioso que me prendeu à leitura. A Diane não é propriamente tola, embora seja ingénua frequentemente. Simpatizei com ambos e, desse modo, não me foi difícil deixar-me cativar pela história. Algumas das personagens surgirão noutros romances desta série e estou sobretudo interessada no romance entre o Julian Hampton e a Penelope, que virá fechar esta fiada de cinco livros. O Julian pareceu-me mais comedido e maduro que o próprio St. John e, deste modo, ficarei ansiosamente atenta aos livros que se seguirem. Faço um reparo ao facto de que o livro tem, uma vez mais, de cem a cento e cinquenta páginas a mais do que o necessário. Perde-se tempo com pormenores exagerados. 
Classificação: 4****

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

»Plano de Leitura de Novembro/Relatório de Outubro


1 - Acabar de ler O Sedutor (Madeline Hunter)
2 - Acabar de ler O Funeral da Nossa Mãe
3 - Ler os Pilares da Terra (Ken Follet) - substituído pel'O Grande Amor da Minha Vida
4 - Ler o Gabriela Cravo e Canela (Jorge Amado) substituído por A Culpa é das Estrelas
5 - Ler cinquenta páginas do Conde de Monte Cristo
6 - Ler O Sedução Intensa (Lisa Kleypas)

Clube de Leitura:
1 - Acabar O Sedutor, MADELINE HUNTER

2 - Lembro-me de ti, SIGUROARDÓTTIR, Yrsa
3 - Histórias de um Portugal Assombrado

A aguardar o anúncio das obras que me cabem p/ Novembro.

Desafio de Novembro: incompleto


Li 640/640 páginas d'Um Fogo Eterno - Trilogia Langani II e terminei-o
Li 248/384 do Peripécias do Coração e terminei-o


Li 163/468 páginas d'O Senhor dos Anéis I - A Irmandade do Anel e termine-o
Li 7/880 páginas d'O Conde de Monte Cristo
Li 258/258 páginas d'A Viagem do Elefante
Li 108/368 páginas d'O Sedutor
Li 208/208 páginas do D. Estefânia - Um Trágico Amor
Li 144/440 páginas d'O Funeral da Nossa Mãe

Total: 1799

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

#60 SARAMAGO, José - A Viagem do Elefante

Sinopse: Em meados do século XVI o rei D. João III oferece a seu primo, o arquiduque Maximiliano da Áustria, genro do imperador Carlos V, um elefante indiano que há dois anos se encontra em Belém, vindo da Índia. Do facto histórico que foi essa oferta não abundam os testemunhos. Mas há alguns. Com base nesses escassos elementos, e sobretudo com uma poderosa imaginação de ficcionista que já nos deu obras-primas como Memorial do Convento ou O Ano da Morte de Ricardo Reis, José Saramago coloca agora nas mãos dos leitores esta obra excepcional que é A Viagem do Elefante. Neste livro, escrito em condições de saúde muito precárias não sabemos o que mais admirar - o estilo pessoal do autor exercido ao nível das suas melhores obras; uma combinação de personagens reais e inventadas que nos faz viver simultaneamente na realidade e na ficção; um olhar sobre a humanidade em que a ironia e o sarcasmo, marcas da lucidez implacável do autor, se combinam com a compaixão solidária com que o autor observa as fraquezas humanas. Escrita dez anos após a atribuição do Prémio Nobel, A Viagem do Elefante mostra-nos um Saramago em todo o seu esplendor literário.


Opinião: O que esperar de uma obra de um escritor premiado com um Nobel? Já tive algumas experiências com vencedores/indiciados para Pulitzers, Nobels, Booker Prizes, e nem sempre foram agradáveis. Abomino o surrealismo de Murakami. Derrapei no caos de Gabriel García Marquez e ganhei asco à “A Valsa Esquecida” da Anne Enright - uma vez mais, porquê “A Valsa Esquecida” e não, como dizem os franceses do Jeunet, “Yupi-tralala”? Mas o Saramago é diferente, não por ser português, não por ser um velhinho de aspecto afectuoso, mas porque o considero um génio. Um génio com uma escrita tão complicada que eu, que gosto de pensar em mim como dispondo de alguma inteligência, dificilmente acompanho. Já analisaram o surrealismo das suas reflexões? Cegueira branca. A Península Ibérica à deriva da Europa. A Morte de férias. E depois temos esta Viagem do Elefante.

Do Saramago li as entrelinhas da Jangada de Pedra, desistindo a meio e admirando o génio que arquitectou as ideias. Li pouco mais de um terço do Ensaio Sobre a Cegueira e desisti, porque tanta excelência e tanto conteúdo cansam. Fiquei a 30 páginas do final do Memorial do Convento, porque foi como correr a meia-maratona chegar ali. E decidi pegar n’A Viagem do Elefante e fazer dele a primeira obra que leio, de fio a pavio, do Nobel português.

É preciso explicar que esta minha predilecção por esta obra, entre tantas que prometem qualidade, se deve ao delicioso documentário - José y Pilar. No documentário, Saramago corre o mundo a promover os seus livros, com a maravilhosa - e arguta - Pilar del Rio ao lado. E está a escrever A Viagem do Elefante. Sofre um enfarte (?) e é internado. Lamenta, receia, não ser capaz de terminar a Viagem do Elefante. Mas, como ele próprio escolheu para citação de partida, Sempre chegamos ao sítio aonde nos esperam. E o elefante Salomão ou, a dado momento, Solimão, lá vai atravessando a Europa com as suas quatro toneladas. O segundo motivo que me sintonizou para este livro foi a citação: o elefante caga, pois caga. E gravou-se-me de tal modo que a oiço sempre na voz hesitante de Saramago.

A leitura é difícil. É-me sempre difícil ler Saramago, como se o autor atirasse pedras para o caminho do leitor, a fim de aferir quanto queremos lê-lo, quanto estamos dispostos a dar de nós para fazer essa viagem que há, regra geral, num livro qualquer. Mas eu consegui ler os Maias à segunda investida, e o Saramago, desta, não me venceria.
Como ponto alto elejo a amizade cornaca-elefante. O elefante parece compreendê-lo conforme lhe sussurra ao ouvido por muito que Saramago nos recorde, aqui e ali, que o mesmo não passa de um animal. É ternurenta esta relação assim como a de simpatias e antipatias que o elefante vai revelando. Surgem padres e diálogo religioso, como já é habitual, e surge também a história de um Portugal grandioso, ainda a colher os frutos da Expansão Marítima. Estamos regidos por D. João III, veio a inquisição e na Europa prepara-se a contra-reforma em Trento. Tudo isto é mencionado pela voz de um padre Genovês que roga um milagre ao cornaca Subhro, apelando ao muito que a Igreja Católica beneficiaria dum. Por entre interesseiros, milagres de encomenda, insensibilidades para com o elefante e o tratador, discriminação para com um indiano que acredita em deuses-elefante, um jogo hierárquico complexo e uma fogueira de vaidades, Salomão agita as estradas passo a passo, ao caminhar, gravando a ferros a sua passagem pela literatura portuguesa. Inesquecível, daqui por diante, a existência de um elefante de nome Salomão.
A frase "O elefante caga, pois caga", nunca surge no livro.
Houve partes que me pareceram por demais familiares, como se esta obra de Saramago existisse em todas as coisas.


Classificação: 3***/*

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

#59 KEATING, Barbara & Stephanie - Um Fogo Eterno

Sinopse: Hannah, Sarah e Camilla partilharam uma infância mágica e feliz no Quénia. Anos depois, as três jovens mulheres regressam às terras altas da África Oriental e àquele que é agora um país independente. Hannah luta para preservar a sua memória na fazenda Langani, alvo de uma série de ataques violentos que ameaçam a sua segurança e casamento. Sarah está a estudar o comportamento dos elefantes numa zona perigosa devido à acção de caçadores furtivos, refugiando-se no trabalho para superar a morte do seu amor de infância. Camilla, um ícone mundial da moda, abandona a sua carreira em Londres e regressa ao Quénia por amor a um carismático caçador e guia de safáris. Mas um segredo paira sobre elas. Com a ajuda de um ambicioso jornalista indiano, elas vão desvendar a verdade por detrás da morte do noivo de Sarah e dos constantes ataques à fazenda e às suas vidas. As paixões e provações por que passam estas inesquecíveis heroínas, unidas uma vez mais pela amizade e pelo amor ao país das suas infâncias, fazem de Um Fogo Eterno um romance épico e magnífico.

Opinião: Opinião: Conheci a Camilla, a Sarah e a Hannah em Irmãs de Sangue, um livro que adquiri em 2010 (se a memória não me falha), porque a sinopse continha uma promessa de África e porque era apaixonada por livros grandes. Digo “era” porque o tempo para livros grandes, ultimamente, não tem abundado. A prova disso é a hora em que escrevo esta crítica – ou, aliás, partilha de opinião. Na altura, deixei o livro a sessenta páginas do fim. Aconteceu algo que me magoou de tal modo que tive de pôr o livro de lado. Não conseguia digerir a intensidade dos acontecimentos. Neste ano, ou seja, dois anos depois, lancei-me a essas últimas sessenta páginas quando me dei conta de que se tratava de uma trilogia. Mesmo sem me recordar dos nomes das personagens à primeira e de todos os acontecimentos, chorei baba e ranho. Dois anos depois e contactando apenas com sessenta páginas.
Bom, o Um Fogo Eterno arrancou-me o mesmo. Tive de disfarçar as lágrimas. Só agora me dei conta de que chove, porque eu cheguei agora mesmo de Naibori. África está resplandecente mas, infelizmente, quente demais. Confusa demais. Violenta demais. A acção tem lugar entre 1966, momento pouco depois do término do volume I, e 1970. Até, sensivelmente, à página 250 não senti grande entusiasmo pela obra, fora África, claro. Fora os elefantes, as hienas e os crocodilos. Além do mais havia muitas desgraças a suceder desde o primeiro livro e, até aqui, injustificadas. Muita violência gratuita que, a partir da página 300 começa a resolver-se de um modo arrebatador. Lia 100, 160 páginas por dia, tão absorta que estava nesta obra sem igual. Todas as personagens são multifacetadas. A Hannah está impossível neste volume, a tentar manter a família à tona enquanto o logde e Langani são constantemente atacados. O Lars é o marido ideal, firme e brusco quando é necessário. A Camilla continua demasiado silenciosa e independente, pouco dada a explicações. A história dela com o Anthony, o guia de safaris, arrasta-se interminavelmente porque o tipo é um mulherengo de primeira, por muito que a ame. Simultaneamente a relação está bem retratada porque existem, de facto, muitas ligações dessa natureza a suceder na vida real. Quanto à Sarah continua a minha favorita. No primeiro volume viveu um grande amor com o Piet, irmão da Sarah e sofreu um choque tremendo e uma perda arrasadora. Neste segundo volume surge outro homem inteligente e determinado. Vamos lá ver o que o jornalista indiano consegue dela… Devo confessar que o Rabindrah é das minhas personagens favoritas.
Lamento a lentidão das últimas cem páginas, poderia estar tudo resumido a menos. Houve uma cena marcante na prisão que me pôs a pingar lágrimas. O conflito interior foi tão intenso que eu senti-me lá, a tomar decisões pelas personagens. Em geral o livro está muito bem encaixilhado – pena o ritmo por vezes lento – e as personagens são muito humanas e volúveis. Aprendem-se boas lições, até porque são todos tão francos que as censuras voam.
Não sei bem o que esperar do terceiro, mas também tinha julgado que tudo se tinha encerrado no primeiro e parece-me que gostei ainda mais deste volume.

Li algures que só aqueles que têm ligação a África sentem realmente interesse por este livro. Não sei se é do meu avô angolano cor de carvão mas… eu senti o chamamento de África, tão forte e oportuno como sempre.
Classificação: 5*****